3 de set de 2012

Um intelectual orgânico

Michel Le Ven (na extrema direita) e a repressão ao fundo


Por Cléber Sérgio de Seixas *


No último sábado, a Ministra-chefe da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, esteve em Ribeirão das Neves para prestar seu apoio à candidata a prefeita pelo PT, Daniela Corrêa. Durante o evento, a ministra alegrou-se com a presença de um ilustre cidadão nevense, francês de nascimento e brasileiro de coração: Michel Marie Le Ven. Eleonora afirmou que estava muito tranquila ao saber que pessoas como Michel apoiam a candidata petista.


De fato, é de peso o apoio do pensador franco-brasileiro à campanha da candidata petista. Michel Le Ven é, atualmente, um dos maiores intelectuais de Ribeirão das Neves. Conheci-o no início do ano passado numa manifestação promovida pela Rede ‘Nós Amamos Neves’. Na ocasião, fiquei impressionado ao ver o destemor daquele senhor septuagenário ao discursar diante de agentes do GIT (Grupo de Intervenções Táticas) fortemente armados, que ali estavam, naquele 10 de abril de 2011, para impedir que os manifestantes prosseguissem sua marcha rumo às proximidades do canteiro de obras daquele que será o primeiro presídio do país construído em regime de Parceria Público Privada (PPP).
Michel  é mestre pela UFMG e doutor pela USP. Lecionou na UFMG e foi pesquisador do CEFET. Escreveu e publicou vários artigos e livros, com destaque para “Dazinho, um cristão nas minas”, onde conta a trajetória de José Gomes Pimenta, operário da mineração, sindicalista e deputado estadual pelo PT, já falecido – um nome que inspirou a muitos na esquerda brasileira, Lula entre eles. Intelectual orgânico, Michel foi além da docência e da elaboração e publicação de textos acadêmicos e científicos para mergulhar na militância social. Nos anos 60 e 70 engajou-se em vários lutas e movimentos sociais, tendo sido preso e torturado pela ditadura militar. No entanto, nenhum tipo de perseguição impediu que ele se posicionasse sempre ao lado daqueles que mais sofrem com as injustiças sociais.


Quando veio para Ribeirão das Neves, Michel Le Ven fundou o CEPI (Centro de Estudos, Pesquisas e Intervenção) e foi um dos idealizadores da Rede ‘Nós Amamos Neves’, entidade que congrega vários movimentos populares da cidade cuja luta visa melhorar as condições de vida dos sofridos cidadãos nevenses.


Situada na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Ribeirão das Neves é um dos mais pobres municípios de Minas Gerais, o que ostenta o menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da RMBH e o que abriga a maior população carcerária do Estado, atualmente em torno de 13%. A cidade é a que mais cresceu em termos populacionais nos últimos 30 anos, porém tal crescimento não se fez acompanhar de desenvolvimento econômico e urbanização.


Paulo Freire certa vez escreveu que era um intelectual que amava as pessoas e amava o mundo. O amor de um intelectual pelas gentes, pelo oprimido, pelos que nada são ou não são deve expressar-se mais em ações que palavras. Esse amor o Professor Michel, como carinhosamente o tratamos em nossas reuniões da Rede ‘Nós Amamos Neves’, já demonstrou à cidade que o recebeu. Não só Daniela Corrêa deve se orgulhar do apoio de Michel Le Ven, mas todos aqueles que amam Ribeirão das Neves.


Nessa entrevista concedida ao CPINFO UFMG em 19 de dezembro de 2011, Michel discorre sobre cultura popular, interdisciplinaridade, transdiciplinaridade, sua trajetória acadêmica, sobre a Rede ‘Nós Amamos Neves’, etc.


Abaixo o vídeo:



* Cléber Sérgio de Seixas é militante da Rede 'Nós Amamos Neves'.


Fonte: Blog Observadores Sociais

Nenhum comentário: